Belgrano

SHARE:

O bairro de Belgrano costuma ficar por fora dos roteiros turísticos da cidade de Buenos Aires porque fica longe do centro. Porém, este bairro residencial e charmoso conta com alguns recantos que vale a pena visitar.


AVENIDA CABILDO E ARREDORES

Trata-se do corredor comercial por excelência do bairro de Belgrano. Da avenida Federico Lacroze até a Monroe, são quase vinte quarteirões de lojas –uma ao lado da outra– de roupa, lingerie, sapatarias, livrarias, casas de eletroeletrônicos, lojas de presentes, perfumarias, bancos, entre outras. Entre as ruas José Hernández e Echeverría estão as lojas mais lindas e sofisticadas. Vale a pena dar uma volta pela tradicional Galeria Belgrano –entre as ruas La Pampa e Sucre– que ainda conserva o ar aristocrático do bairro. Uma visita separada merece La Casa del Ángel (A Casa do Anjo) –na rua Sucre, entre Cuba e Arcos, a três quarteirões da avenida Cabildo–, um shopping mínimo a céu aberto que concentra o passeio mais elegante da zona. Para as pechinchas e as antiguidades convém visitar a zona que fica entre as avenidas Juramento e Monroe.

O bairro foi criado há mais de um século e meio como um povoado para que as famílias mais ricas da cidade passassem suas férias.

Barrancas

Trata-se do pulmão verde de Belgrano –limitado pelas ruas La Pampa, Sucre, Echeverría, 11 de Septiembre e Juramento. É uma zona belíssima, por causa de seu terreno ondulado, suas escadarias, árvores altas e frondosas, trilhas de tijolos, elegantes faróis dourados, uma variedade de estátuas e um emblemático quiosque em que, nos finais de semana, o pessoal se encontra para dançar tango. O parque foi desenhado em 1892 pelo famoso arquiteto paisagista Carlos Thays e, até hoje, conserva, em grande medida, seu espírito original. O prédio esconde uma joia pouco conhecida, inclusive pelos vizinhos do bairro: uma cópia em tamanho reduzido da estátua da Liberdade, feita pelo autor do colosso da baía de Nova York, o francês Fréderic Bartholdi.

Image title


O BAIRRO CHINÊS

Com eixo em uns poucos quarteirões da rua Arribeños (entre as ruas Juramento e Blanco Encalada) nas quais se desenvolve uma intensa atividade comercial, o bairro chinês portenho concentra a maior quantidade de lojas asiáticas de toda a cidade. A zona começou a desenvolver-se no início dos anos noventa e, desde então, foi consolidando-se como a meca dos chefs e amantes da boa cozinha que vão a seus supermercados, à procura de sabores exóticos, especiarias, frutas, peixes, chás e outras delícias difíceis de se conseguir. Coloridos, populares e especialmente barulhentos aos finais de semana, vale a pena chegar perto destes quarteirões para comer em algum dos seus restaurantes ou lanchonetes e perambular sem ordem entre suas lojas. Dois dados-chave: o primeiro é que em quase nenhuma loja são aceitos cartões de crédito; o segundo, nas segundas-feiras, a maioria das lojas ficam fechadas. Não perca a fotografia sob o arco de ingresso, localizado no cruzamento das ruas Arribeños e Juramento, justo ao lado da estação do trem Belgrano C.

Image title


O MUSEU DE ARTE ESPANHOL ENRIQUE LARRETA

Localizado na rua Juramento, 2291 (ena frente, também, da praça Manuel Belgrano), o museu fica em um casarão de estilo neocolonial que pertenceu ao escritor e colecionista argentino Enrique Larreta. O museu conta com uma pinacoteca de obras que abrangem da Idade Média até os inícios do século vinte, embora o espaço mais lindo do prédio seja o jardim de estilo andaluz que, por si só, merece uma visita graças a seus charmosos chafarizes, esculturas, árvores exóticas e trilhas labirínticas. Durante a visita vale a pena fazer uma parada no restaurante do museu, Croque Madame, que oferece mesas ao ar livre e acesso direto ao jardim.

Image title


A Redonda

Ícone indiscutível do bairro e um dos templos mais singulares de Buenos Aires, a Paróquia da Imaculada Conceição é obra dos arquitetos Nicolás Canale e Juan Antonio Buschiazzo. Melhor conhecida como a Redonda de Belgrano por causa de sua planta circular, a construção é coroada por uma cúpula de vinte metros de diâmetro e quarenta de altura que lhe fornece uma enorme potência visual. Está localizada no cruzamento das ruas Juramento e Vuelta de Obligado, na frente da praça Manuel Belgrano e ao lado de uma arcada onde funciona uma confeitaria e sorveteria com mesas ao ar livre. Além disso, nos arredores há muitíssimos bares e excelentes sorveterias, chocolatarias, livrarias e lojas de decoração.

Image title


Belgrano R

Entre as vias do trem ramal Mitre e as ruas Forest, Elcano e Melián aparece um sub-bairro de características anglossaxãs, de frondosas árvores, enormes mansões e ruas tranquilas de paralelepípedos. Trata-se do encrave conhecido como Belgrano R (porque está perto do ramal do trem que chegava até a cidade de Rosario, na província de Santa Fé), elegante em cada um de seus quarteirões e com epicentro na Praça Castelli, que está rodeada de agradáveis confeitarias. Especialmente atrativo no outono, Belgrano R é aquela peça que faz com que Belgrano se torne um bairro que, praticamente, tem tudo.

Image title


El Bajo

El Bajo Belgrano (O Baixo Belgrano) ou Belgrano Chico (Belgrano Pequeno) –que é, basicamente, a zona abrangida entre a Avenida Libertador e o rio– formava, no passado, uma área fabril e esquecida que, ao longo das últimas décadas –depois do boom imobiliário– foi crescendo até se tornar um bairro agradável, bem conectado e rodeado de amplos parques. Na esquina da rua Freire com a Avenida Figueroa Alcorta formou-se, além do mais, um pequeno mas interessante polo gastronômico onde se destaca o lendário Sucre, dirigido por um dos mais reconhecidos chefs argentinos, Fernando Trocca (Sucre, 676).

Image title



El Solar de la Abadía

Conhecido pelos vizinhos do bairro somente como El Solar, trata-se de um pequeno, mas requintado shopping que possui em torno de oitenta lojas e fica justo na frente da Abadia de São Bento e em uma área que está prestes a se tornar parte do bairro Las Cañitas. Compreendido entre as ruas Luis Maria Campos, Gorostiaga, Maure e Arce, El Solar foi inaugurado em 1995 e construído no prédio em que alguma vez funcionou uma fábrica de gelo seco. Graças a essa reciclagem, o estudo de arquitetos que a realizou ganhou o prêmio Maxi Award `97 ao design mais inovador.


Microbairro de embaixadas

Dentro de limites não muito precisos (mas limitado, aproximadamente, pelas ruas Virrey del Pino, Arcos, Maure e Luis Maria Campos) ainda há uma boa quantidade de casarões, muitos dos quais se tornaram, hoje, embaixadas ou colégios particulares. Rodeado por um contexto de altíssimas árvores e ruas com paralelepípedos, essa amostra arquitetônica se apresenta como ideal para um passeio matutino.

Image title

O que está acontecendo em #buenosaires